quarta-feira, 30 de setembro de 2015

O Grandissíssimo Filho da Puta e a Morte do 'Deboísmo'

Fico impressionada de ver a facilidade das pessoas em desdenhar da vida alheia.
Os sentimentos do outro são simplesmente ignorados em favor do autoprazer.
A partir do momento em que se deseja conquistar algo, tudo será feito para se chegar ao objetivo desejado. E como os fins justificam os meios, vale qualquer tipo de mentira e canalhice nesse jogo de puxar tapetes.
É muito difícil hoje, conseguir praticar o tal do 'deboísmo'. Aliás, é praticamente impossível alguém conseguir ficar na sua, viver sua vidinha em paz, sem incomodar ninguém e principalmente sem ser incomodado.

Exemplo 1:
O carinha passa a vida quebrando a cara em empregos frustrantes, sendo obrigado a aguentar humilhações e todos os tipos de injustiça porque não tem uma formação mínima necessária, porque precisa sustentar a família e/ou a si mesmo. Um belo dia, esse carinha arranja um emprego que, apesar de não ser 'O' emprego é o melhorzinho que já conseguiu, salário suficiente para viver, pessoas legais, horário bom. O carinha está feliz! O carinha está de boa! O carinha não faz mal a ninguém. Está vivendo o auge dos seus dias de Deboísta.
Eis que aparece o Grandissíssimo filho da puta. O filhinho de mamãe. Aquele que nunca passou necessidade, nem sabe o que é isso. Ele tem tudo e tanto que para ser feliz precisa exorcizar o deboísmo alheio. E enquanto não deixar a todos infelizes ele mesmo não ficará 'de boas'.

Exemplo 2:
O carinha está bem! O carinha está feliz! vivendo sua vidinha na dele. De boas! sem precisar de ninguém. Cansou de andar de muletas e aprendeu a andar sozinho. Não incomoda ninguém! Aprendeu a se divertir sem companhia, Aprendeu a guiar a própria vida. Cansou de esperar atitudes dos outros e passou a tomá-las por si só. Cansou de expectar-se, expectativas já não servem mais para si. O carinha está feliz! O carinha está de boa! O carinha não faz mal a ninguém. Está vivendo o auge dos seus dias de Deboísta.
Eis que aparece o Grandissíssimo filho da puta. O falso amigo, o falso amante. Aquele que no lugar das muletas usa próteses para não ver que ele mesmo se apoia em alguém. Aquele que se acha o tal. O dono da razão. Aquele que com palavras doces e suaves envenena a mente do carinha. Aquele que com sussuros grita infortúnios e deixa o carinha surdo.  E enquanto não deixar a todos infelizes ele mesmo não ficará 'de boas'.

Exemplo 3:
O carinha, depois de inúmeras tentativas fracassadas de doar o seu amor, resolveu doar-se a si mesmo! E descobriu que o seu amor era muito mais importante para si próprio do que para outrém. O carinha não quer saber de ninguém. Percebeu que, afinal de contas, ele é mais completo só do que acompanhado. Conseguiu enxergar seu Eu completando-se de si mesmo, crescendo, evoluindo e transbordando. O carinha está feliz! O carinha está de boa! O carinha não faz mal a ninguém. Está vivendo o auge dos seus dias de Deboísta.
Eis que aparece o Grandissíssimo filho da puta. Aquele que se acha no direito de roubar a solidão alheia, como se fosse mero produto industrializado produzido em larga escala. Aquele que vê na solidão, não a imensa possibilidade de evolução íntima e pessoal, mas um monstro grande e forte e destruidor capaz de arrasar com a sua vida. E para afastar esse monstro de si, ele destrói o templo do carinha. E para isso vale usar qualquer mentira, qualquer sujeira, qualquer falsidade. Aquele que vai tapar seus buracos com o deboísmo do carinha, e quando estiver bem e farto irá partir, deixando para trás um queijo suiço que um dia foi um carinha. E enquanto não deixar a todos infelizes ele mesmo não ficará 'de boas'.

Eu poderia passar 3 dias dando exemplos do grandíssissimo filhoda puta (GFdp)  e seu desdém. Mas não acho que ele mereça tanto cartaz.
 Infelizmente, o tal do 'Deboísmo' tem os dias contados. Como a moda que muda à cada estação. Pois, cada qual em sua própria razão ri do alheio, dos sentimentos, verdades e desejos de cada um que não for uma cópia de si. E não! não existem cópias de ninguém! E não adianta pedir para não se machucar. E não adianta o carinha ter um papo franco com o GFdp, explicando as suas razões de cultivar um templo como a solidão, ou mesmo de apresentar a sua visão do deboísmo. Não adianta o carinha ser sincero e pedir o mesmo em troca. E nem mesmo citando Nietzsche (Odeio quem me rouba a solidão sem em troca me oferecer VERDADEIRA companhia) o carinha vai conseguir se proteger do GFdp. Para conseguir o que deseja ele será capaz das maiores atrocidades - físicas ou psicológicas/mentais - contará as maiores mentiras, usará as mais perfeitas máscaras, artimanhas e encantos.
 O grandissíssimo filho da puta é a bruxa da Branca de Neve na vida real. Ele vai envenenar o carinha com a maçã mais bonita e vermelha. Ele irá se fantasiar do que for preciso, ele não mede as consequências, e não enxerga o erro nas suas atitudes. E vai tapar seus buracos com o deboísmo alheio, e quando estiver bem e farto partirá, deixando para trás um queijo suiço que um dia foi alguém. E enquanto não deixar a todos infelizes ele mesmo não ficará 'de boas'.
E ao cair do dia, de um lado o Gfdp parte com seu monstro na coleirinha para atacar algum outro carinha no auge Deboísta. Enquanto o já atacado, esburacado, e abandonado carinha terá que reaprender, reerguer-se de mais um tombo, recuperar suas pernas, gastar quilos e quilos de massa corrida para tapar os buracos e começar tudo de novo. Para ele tudo bem, afinal não há evolução sem quedas e tropeços. Mas apesar de não se incomodar por ter sido tão atingido mais uma vez, ele sempre irá pensar no desdém. Com que direitos me tira de dentro do meu templo, esse maravilhoso templo da solidão, para simplesmente me usar como coisa qualquer que se compra na feira, que se ganha de alguém? Será que seu pescoço dói, sua cabeça pesa ou será que dentro da sua mente já não mora mais uma consciência? Para que se fazer passar por vovózinha se tem tanta gente  por aí que gosta verdadeiramente da bruxa?
Sempre haverá essas e tantas outras perguntas, sempre haverá esses e tantos outros carinhas e GFdp, sempre haverá o monstro e o templo Solidão. No entanto, o deboísmo... esse tem os dias contados, logo será trocado por outra moda, por outra teoria, por outra receita de felicidade. Porque, por mais que o carinha aumente seu templo, edifique sua vida 'de boas', o GFdp estará alimentando seu monstro, fugindo dele e atropelando a todos sem perceber que só precisa parar, olhar bem nos olhos daquele bixão e perceber que o monstro, na verdade, é um templo em construção.
Imagem retirada de: https://avidabloga.wordpress.com/2012/07/11/maravilhoso-templo-budista-wat-rong-khun-2/