terça-feira, 5 de maio de 2015

Preciso sorrir menos.

Preciso sorrir menos.
Preciso?
As pessoas interpretam errado.
Estranho isso.
Num mundo tão  frio... fechados em seus casulos. Afastando a todos que tentam se aproximar.
E um sorriso vira mal intento na mente gelada dessas pessoas frias.
Preciso sorrir menos.
Dentes à mostra trazem mal olhado.
Hahahaha.
"Sou um reflexo do mundo", dizia eu em minha mocidade. Mas... quem é o reflexo? O mundo ou eu?
Conforme as coisas vão  clareando, vejo que o mundo é  o meu reflexo. E o que eu quiser que mude no mundo, tenho que mudar em mim.
Aaaaaaaaaahhhhhhh gritam meus pensamentos. O cérebro borbulha.
É  tão  fácil  pensar e tão  difícil fazer.
Se antes estava toda amarrada, atada, vendada, amordaçada; agora começo a enxergar. As vendas se rompem lentamente e mesmo que eu enxergue com clareza, ainda há muitas amarras para soltar.
Começo a andar aos poucos. A cordas estão  se afrouxando. Só não posso parar.
E sorrio, afinal de que adianta sentir tudo isso se não  for para rir depois?  Perceber como estava o tempo todo lá  e eu não  via. Sorrio, rio, gargalho se precisar...
Não  me entenda errado. Se sorrio para ti não  é porque lhe tenho mal intento, mas porque vejo tantas cores saindo daqui de dentro que  me é impossível não sorrir.
E mesmo cada lágrima que cai, uma cor nova sempre trás. E depois de uma enxurrada salgada de lágrimas coloridas, o meu sorriso terá mais vida, mais potência e mais vontade de viver.

Postar um comentário