sexta-feira, 23 de março de 2012

Fim

Tinha dias em que ela era lagarta, e se trancava no casulo;
N'outros era borboleta, e voava pelo mundo.
Em certos momentos o frio lhe atingia, e se enrolava em mantas e casacas;
N'outros o calor era intenso, e em lagos cristalinos se banhava.
Um dia resolveu ser tudo, tentava voar dentro do casulo;
E quase afogou-se ao mergulhar enrolada em capas.
Então decidiu ser nada, esqueceu-se do mundo;
Perdeu-se no escuro e acabou-se, cansada.
Postar um comentário