domingo, 15 de maio de 2011

F E L I Z . . .


E de repente tudo muda,
E não é mais necessário ar, pois existe uma outra essência para se respirar.
E num instante, todo o mundo vira de ponta cabeça,
E do fundo de toda a amargura e angústia, surge reluzente;
A felicidade que vem de dentro, crescendo, tomando todo o ser.
E se tem um motivo para acordar, e sem motivo sorrir, e com vontade viver.
Cada dia é mais vibrante, calor que sai do peito, explode em combustão.
E uma certeza n'alma que aumenta a cada segundo;
Amar.
Se não for isso, sinceramente não sei o que pode ser.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

...

Ausento-me do mundo
Corro para dentro de mim... escondo-me.
Guardo incertezas dentro do peito.
Sufoco os pensamentos que me povoam a mente.
Desacordo para a realidade, ocultando-me na solidão.
Esqueço-me n'um canto, às sombras da escuridão.
Deixo passar...

terça-feira, 8 de março de 2011

Tempo.



Me perco em meio a passos indefinidos,
Que ora correm, ora param... ora choram...
Choram os olhos; a alma.
Pensa a cabeça. O tempo para. Não para.
Passa tão rápido que até parece devagar.
Passo descompasada, como as batidas do coração.
Em ritmo desritmado. Tentando esquecer o passado
Sem nunca esquecer o que passou.

Confusa? sim. Em dúvida? Talvez.
Indefinida não. Me defino de solidão.
Encaro o presente num embrulho bonito.
Olhando o futuro a se desembrulhar.
Aprendendo a deixar de sonhar.
Não me chame de louca, ou tola. Isso não sou não
Deixo de sonhar, pois na minha razão.
Sonhar é inocência. Realizar é sedução.