sábado, 23 de outubro de 2010

Aprendendo

Tem horas na vida que sentimos, que o que sentíamos não agrada mais o nosso ser
E as vozes que ouvíamos ao longe, às vezes perto,
dizem coisas que não sabíamos, ou fingíamos não saber
E os vícios se tornam pacatos, perigos parados, atados naquele ser
Um ser que se torna passado, para que se acenda um novo viver.
Momentos são presentes constantes, que nos damos sem saber.
Escolhendo a cada segundo, o futuro que melhor nos couber.
E assim vamos moldando nossas vidas,
Errando, acertando, meio sem saber.
Costuramos nosso destino, querendo ou sem querer
Em linhas que ora apertam, ora afrouxam.
Dia e noite, vida afora.
N'um aprendizado eterno,
Do que somos ou queremos ser.


Postar um comentário